30 dezembro 2007

Mirando o Mirante


Eita, como é belo o Rio.
E meus amigos paulistas -- Edu Prado e Edu Passos -- puderam curtir bastante esses dias por aqui (pois o sol só colabora para as fotos mais perfeitas, como esta, do Mirante do Leblon!).
Eu já tinha estado lá antes, em 8 de setembro, quase "recém-chegada" ao Rio. Mas nessa época estava sem máquina... fiquei sem a imagem.
Agora deu! (hehehe)
É lindo demais esse lugar!

29 dezembro 2007

Um passeio em Niteroi


-- Só podia ser "paulista"!
Foi o que eu disse a meu amigo quando anunciou, por telefone, que o primeiro lugar ao qual gostaria de ir, uma vez chegado ao Rio, era o MAC de Niterói.
-- Só podia ser "paulista" pra querer se enfiar em "museu" com um verão desses!
Como se EU não fosse paulista e não adorasse museus, né? (risos)
O passeio valeu a pena. É lindo o MAC e o dia colaborou: estava um sol lindo demais, o que me permitiu fazer belas fotos (como esta acima).
A construção é maravilhosa. Porém, admito que aquele concreto todo, com o calor imenso que estava fazendo, é angustiante. Lá dentro é gostoso demais: além de fresco, a vista é belíssima!
Em frente ao MAC, o que me chamou a atenção foi a Igreja N. S. de Boa Viagem, construída no século XVII. Mas, infelizmente, fechada pra visitação -- parece que só abre no 1o. ou 2o. domingo de cada mês.
Vou procurar saber e, com certeza, voltar lá. E volto aqui pra contar, é claro!

28 dezembro 2007

Balada das duas mocinhas de Botafogo


Assisti ao curta de Fernando Valle e João Caetano Feyer (http://www.portacurtas.com.br/pop_160.asp?Cod=4837&exib=5937), inspirado no poema abaixo.

Lindos: o curta e o poema!


Eram duas menininhas
Filhas de boa família:
Uma chamada Marina
A outra chamada Marília.
Os dezoito da primeira
Eram brejeiros e finos
Os vinte da irmã cabiam
Numa mulher pequenina.
Sem terem nada de feias
Não chegavam a ser bonitas
Mas eram meninas-moças
De pele fresca e macia.
O nome ilustre que tinham
De um pai desaparecido
Nelas deixara a evidência
De tempos mais bem vividos.
A mãe pertencia à classe
Das largadas de marido
Seus oito lustros de vida
Davam a impressão de mais cinco.
Sofria muito de asma
E da desgraça das filhas
Que, posto boas meninas
Eram tão desprotegidas
E por total abandono
Davam mais do que galinhas.
Casa de porta e janela
Era a sua moradia
E dentro da casa aquela
Mãe pobre e melancolia.
Quando à noite as menininhas
Se aprontavam pra sair
A loba materna uivava
Suas torpes profecias.
De fato deve ser triste
Ter duas filhas assim
Que nada tendo a ofertar
Em troca de uma saída
Dão tudo o que têm aos homens:
A mão, o sexo, o ouvido
E até mesmo, quando instadas
Outras flores do organismo.
Foi assim que se espalhou
A fama das menininhas
Através do que esse disse
E do que aquele diria.
Quando a um grupo de rapazes
A noite não era madrinha
E a caça de mulher grátis
Resultava-lhes maninha
Um deles qualquer lembrava
De Marília e de Marina
E um telefone soava
De um constante toque cínico
No útero de uma mãe
E suas duas filhinhas.
Oh, vida torva e mesquinha
A de Marília e Marina
Vida de porta e janela
Sem amor e sem comida
Vida de arroz requentado
E média com pão dormido
Vida de sola furada
E cotovelo puído
Com seios moços no corpo
E na mente sonhos idos!
Marília perdera o seu
Nos dedos de um caixeirinho
Que o que dava em coca-cola
Cobrava em rude carinho.
Com quatorze apenas feitos
Marina não era mais virgem
Abrira os prados do ventre
A um treinador pervertido.
Embora as lutas do sexo
Não deixem marcas visíveis
Tirante as flores lilases
Do sadismo e da sevícia
Às vezes deixam no amplexo
Uma grande náusea íntima
E transformam o que é de gosto
Num desgosto incoercível.
E era esse bem o caso
De Marina e de Marília
Quando sozinhas em casa
Não tinham com quem sair.
Ficavam olhando paradas
As paredes carcomidas
Mascando bolas de chicles
Bebendo água de moringa.
Que abismos de desconsolo
Ante seus olhos se abriam
Ao ouvirem a asma materna
Silvar no quarto vizinho!
Os monstros da solidão
Uivavam no seu vazio
E elas então se abraçavam
Se beijavam e se mordiam
Imitando coisas vistas
Coisas vistas e vividas
Enchendo as frondes da noite
De pipilares tardios.
Ah, se o sêmem de um minuto
Fecundasse as menininhas
E nelas crescessem ventres
Mais do que a tristeza íntima!
Talvez de novo o mistério
Morasse em seus olhos findos
E nos seus lábios inconhos
Enflorescessem sorrisos.
Talvez a face dos homens
Se fizesse, de maligna
Na doce máscara pensa
Do seu sonho de meninas!
Mas tal não fosse o destino
De Marília e de Marina.
Um dia, que a noite trouxe
Coberto de cinzas frias
Como sempre acontecia
Quando achavam-se sozinhas
No velho sofá da sala
Brincaram-se as menininhas.
Depois se olharam nos olhos
Nos seus pobres olhos findos
Marina apagou a luz
Deram-se as mãos, foram indo
Pela rua transversal
Cheia de negros baldios.
Às vezes pela calçada
Brincavam de amarelinha
Como faziam no tempo
Da casa dos tempos idos.
Diante do cemitério
Já nada mais se diziam.
Vinha um bonde a nove-pontos...
Marina puxou Marília
E diante do semovente
Crescendo em luzes aflitas
Num desesperado abraço
Postaram-se as menininhas.
Foi só um grito e o ruído
Da freada sobre os trilhos
E por toda parte o sangue
De Marília e de Marina.

(Vinícius de Moraes: Novos Poemas II)

18 dezembro 2007

4x4


Deborah Colker é uma das figuras do mundo da dança que sempre me encantou.
Dona da companhia que leva seu nome, Deborah sempre surpreende em seus espetáculos.
Lembro-me ainda de 4x4 (o que era aquilo, gente!), cheio de delicadeza e precisão.
Memorável...


(imagem "capt[ur]ada" do site DanzaBallet)

17 dezembro 2007

Tradição no Centro


Neste final de semana fui ao Bar Luiz, no centro do Rio.
Tradicionalíssimo, inclusive na aparência!
Pareceu-me (pelo cardápio) especializado em comida alemã, mas não serve somente isso.
O chopp é uma delícia.
E a salada de batata já foi eleita a melhor da cidade!
(também achei... é realmente espetacular!).
Experimente!


obs.: se preferir, tem também um quiosque na praia, quase em frente ao Copacabana Palace! Mas, convenhamos: nem de longe tem o mesmo charme...

Bar Luiz
Rua da Carioca, 39
Centro -- Rio de Janeiro
Tel.: (21) 2262-6900

(imagem "capt[ur]ada" do blog Marcos RS)

12 dezembro 2007

Guia x Guia x Guia


A PubliFolha lança hoje o Guia GLS São Paulo.
Assunto? "Balada. Balada. Balada".
Pra quem gosta de balada, se joga. (1)

Well... sempre fui muito baladeira. Porém penso, como disse "n" vezes, que o "mundo gay" não se restringe a isso. É desse "detalhe" que as pessoas se esquecem. E ficam perplexas ao saber que gay não é só festa -- eles também apanham, como Ferruccio, Ali e tantos outros (TANTOS mesmo, pois fora os casos que a imprensa mostra [Ferruccio], há ainda os que a imprensa nem vem ao menos a saber [Ali], considerando que estes constituem o triplo ou mais daqueles. No geral: digamos que a cada um que veio a público, outros três aconteceram [cujas vítimas não denunciaram por vergonha, falta de apoio ou a mídia não deu trela etc.]). (2)
Na contramão disso, e pra lá de necessário, a Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros (ABGLT) também lançará um guia. Trata-se do Guia GLBT para Comunicadores.
Assunto? Orientação sexual, identidade de gênero, cultura, aids, religião, movimentos sociais e outros. (3)
Em suma: lembrem-se de que balada é legal, mas não basta, porque não informa e não conscientiza.
A gente não quer só comida
A gente quer comida, diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída para qualquer parte...

(...)

Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?
E enquanto São Paulo lança o seu guia, o do Rio aguarda a boa vontade de um cristão.
Vejam só a notícia publicada domingo (9/12/2007) n' O Globo, na coluna Gente Boa, escrita por Joaquim Ferreira dos Santos:
Rio gay é vetado
Criador do guia gay "Rio diferente", que será lançado pela Aeroplano, o diretor de arte da editora, Christiano Menezes, passa sufoco para encontrar uma gráfica que tope imprimir o livro. Três empresas já se recusaram a prestar o serviço. "Falei que não tem baixaria, que é de alto nível. Mesmo assim, não toparam".
Vai entender...!
(1) Guia GLS São Paulo. R$ 34,90. À venda no site da PubliFolha.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/publifolha/ult10037u349833.shtml

(3) Guia GLBT para Comunicadores. Será distribuído para redações e jornalistas de todo o Brasil. Disponível a partir de janeiro de 2008.
Fonte: http://gonline.uol.com.br/site/arquivos/estatico/gnews/gnews_noticia_20151.htm

obs.: diz a reportagem que "os interessados em conhecê-lo precisam escrever para a ABGLT pelo e-mail presidencia@abglt.org.br", mas
não sei se isso significa que ele será disponibilizado gratuitamente. Ademais, é bem provável que só seja mesmo endereçado aos segmentos ligados à área de comunicação e seus associados. De qualquer forma, acho interessante ter um, mesmo que tenha de se pagar por ele...

11 dezembro 2007

É cada uma que me aparece...


Vejam isso!
"Amar é..." remodelado.
Versão gay!
É cada uma que me aparece.
O que mais falta inventar?
Afe!!! (risos)
Pois já inventaram!
Sérgio Ripado, o já citado colunista da Destaque GLS da Folha Online, postou, com a colaboração de Bruna Angrisani (promoter da festa "Tête-à-Tête"), um pequeno glossário sobre "gírias lés".
Quero deixar CLARO que são gírias de "meninas"; eu já tive 20 anos, você também. Então senta e relaxa. Tem cerveja na geladeira. Se quiser, vá lá pegar, que eu te espero!
Voltou?
Não pegou minha Malzbier, não, né?
Então tá!
Agora sente-se, leia e ria um pouco -- até porque, algumas dessas gírias são do teu (nosso?) tempo, como o "Amar é..." aí de cima!
Fique por dentro da língua das lésbicas*
Embucetada: apaixonada
Bifar: ficar
Mina bife: mina gostosa
Dyke, bolacha, tête, sapa, entendida, hari: lésbica
Dykona: extremamente sapatão
Tomboy: lésbica com visual masculino
Caminhoneira: visual e conduta totalmente masculinos
Regina: ato ou estado de extrema tosquice
Colar modão: colar em alguém, dar em cima
Pedagoga: lésbica mais velha que se esforça para esconder sua homossexualidade
Draga: feia, chata ou inconveniente
Calça batom: a calça que realça os grandes lábios
As "bixas": gays masculinos
Alguém avisa: termo para designar que algo não está bom. (ex.: alguém avisa que o som é péssimo?)
Rebuceteio: a ciranda típica do mundo lésbico (fulana que já ficou com ciclana que já namorou beltrana)
* Várias observações, a começar pelo título. Achei óóóóóótEmo esse trocadilho! Mas nos lembremos de que esse dado é totalmente fake. Nem toda lésbica usa esses termos. Arrisco dizer que a MAIORIA nunca ouviu ao menos falar!
1) essa da Pedagoga foi o fim (kkkkkkkkk). Mas é verdade. Tenho amigas lés que trabalham em escolas. Caaaaaaaaaara, vocês não têm noção do inferno que é. As mães não podem ao menos "sonhar" em saber que elas são entendidas. É um porre (por isso, tratei logo de largar essa área -- hunf!).
2) calça-batom?! (huahuahua). Chorei de rir!
3) a ciranda tem mesmo se tornado cada vez mais típica do mundo lés. Nunca participei de uma (no, thanks!), mas tenho de reconhecerer que é típico sim. Aquela coisa Shane...!

10 dezembro 2007

Um bar pra chamar de seu!


A revista Veja fez uma edição, em 23 de fevereiro de 2007, cujo nome já agrada “de primeira”: "Um bar para chamar de seu"! (magnífico, não?).

Formulado no esquema perguntas e respostas, busca atender às necessidades de cada um que procura um tipo específico de bar (de acordo com as características do usuário: gay, casado, com filhos, cinqüentão, em busca de paquera, procurando um bar romântico ou um bar ao ar livre etc.).

Vá lá, dê uma olhada e procure seu bar!:

Um bar para chamar de seu
Veja São Paulo traz cinqüenta bares sob medida para os mais diversos gostos e ocasiões

http://vejasaopaulo.abril.com.br/revista/vejasp/edicoes/1997/m0123236.html

Atentem à resposta à pergunta: "Onde posso achar cervejas brasileiras inusitadas?".
Lágrimas de emoção escorreram pelo meu rosto (kkkkkkkk).
Endereços! Dêem-me os endereços!
Ficam em São Paulo?! Ahhhhhhhhh.
Catapultem-me daqui!
Levem-me lá, AGORA!
obs.: claro que depois fui atrás dessa informação aqui no Rio, e a encontrei numa matéria publicada pelo jornal O Globo, em 4/12. As "inusitadas" aqui você encontra no Herr Brauer e no Dacobal Café. Não fui ainda, mas vou... ah, se vou! E depois que eu for, venho aqui e conto tudinho (hehehe).
(imagem "capt[ur]ada" do site Veja São Paulo)

07 dezembro 2007

Se o bar é bom...


Que tal um Brahma Black geladinho de frente pra praia?
Maravilha, né?
Isso é possível, aqui no Rio, no Quiosque Chopp Brahma.


Estive lá com amigas ontem à noite (na verdade, pela segunda vez).
Coincidentemente, as duas vezes fui à noite, mas não faltarão oportunidades pra ir de dia (hehehehe).
Afinal, calor e chopp foram feitos um para o outro!

Quiosque Chopp Brahma
Posto 4 (entre as ruas Santa Clara e Constante Ramos)
Copacabana -- Rio de Janeiro

06 dezembro 2007

Meu cartão-postal



Olha só que imagem linda!


Tá bom... tá bom... sou apaixonada por Sampa (hehehehe).


Adorei o título da reportagem da revista Veja São Paulo de 24 de outubro, que fala sobre a construção da Ponte Estaiada Jornalista Roberto Marinho: "Nasce um cartão postal".


Chamada na reportagem "a gigante da marginal", a ponte tem uma torre de 138 metros de altura e duas pistas em curva suspensas por 144 cabos que a elevam sobre o rio Pinheiros.


Ainda está em construção, mas estou "doidinha" pra ir lá ver (risos).


Ah... saudades de São Paulo!


(imagem "capt[ur]ada" do site Veja São Paulo)

Curiosidade: a Veja São Paulo foi o PRIMEIRO desses suplementos da revista Veja dirigido às cidades. É a única, também, que tem site próprio. As outras cidades ficam em páginas do site Veja Brasil.

05 dezembro 2007

Bela Bella


Ainda estou com saudades de São Paulo.
E já que falei em "lugares para terminar a noite" (ou começar o dia -- risos), não posso esquecer de citar a Bella Paulista.
Minha relação com ela é bem diferente da que tenho com a Estadão (carinho por aquele lugar porque me remete a várias lembranças de Sampa), mas não posso deixar de indicá-la.
Bella Paulista está mais pra "padaria fina" (como as já aqui citadas) do que pra lanchonete.
Espaço de descolados e baladeiros da Augusta e adjacências, o lugarzinho lota!
Antes das 20h: irá encontrar por lá de tudo, inclusive senhoras que foram buscar o pão e aquele "tiozão" (é... aquele de camisa, com a malha jogada por cima, nos ombros).
Entre 20h e 0h: repleto de gente, incluindo o pessoal que saiu do cinema, o casal de namorados, a patricinha com as amigas, os mauricinhos com os caras, e a galera que está indo pra balada e passou lá pra comer.
Depois da 0h: eles continuam lá. Uns já foram, outros estão vindo. E vem chegando mais. Parece que aquele lugar não esvazia!
Na madruga total: lotou de novo. A turma saiu da balada e passou lá pra tomar café.
Tá esperando o quê?
Bella Paulista
Rua Haddock Lobo, 354
Cerqueira César -- São Paulo
Tel.: (11) 3214-3347
(imagem "capt[ur]ada" do blog do Baiano)

04 dezembro 2007

Fecha?


Em meus momentos "saudades de São Paulo" fico me lembrando do que ficou por lá.
Hoje minha memória foi buscar a lanchonete do Estadão, e fiquei me perguntando se aquilo lá fecha em algum momento do dia...
Não fecha, não (risos). 24 horas no ar, servindo cafés, PFs, lanches (entre os quais, o famosíssimo sanduíche de pernil).

Eu vivia lá; era quase uma extensão da minha casa, já que eu morava a algumas ruas dali.
Pra minha sorte, todos os dias tinha de passar em frente à Estadão pra ir trabalhar, pra ir pra facul, pra ir no apê do meu amigo Duddy, pra chegar em casa... Que chaaaaaaaaaaaaaato (risos). E mesmo quando não tinha, ia lá também.
Concordo que a long neck tem preço de barzinho, apesar daquilo ser uma lanchonete (hehehe). Eu NUNCA comprava cerveja ali (afe!).
Em compensação, para aquele café, na madruga, pós-balada, a Estadão é mestre.

Saudades de lá... deste mesmo sol do amanhecer que vejo agora no Rio a descer pelo Vale do Anhangabaú (perto de onde a Estadão fica). Pra melhorar, ela é de esquina (olhe novamente a foto); entra muita luz ali... está sempre claro (essa foto, por exemplo, aposto "minhas ceroulas" que foi tirada pela manhã).

Corta. Volta para dezembro de 2006, olhando em volta e sentindo o sol do amanhecer no centro de São Paulo. Claridade. Sozinha, sorrio, balanço a cabeça, deito os olhos pro chão (ainda sorrindo) e novamente ao redor (agora, mais ainda, rindo sozinha; gosto de me sentir fazendo parte desta cidade). Entro na Estadão e peço meu expresso com pão de queijo, enquanto observo a megalópole cosmopolita despertar. São Paulo tem uma névoa bonita quando acorda...
Nostalgia. Nostalgia. Nostalgia.

Estadão Bar e Lanches
Viaduto Nove de Julho, 193
Centro -- São Paulo
Tel.: (11) 3257-7121

03 dezembro 2007

The victims we know so well


Se chocou com as fotos acima?
Pois é... elas estão aqui pra nos lembrar de que nem só de balada vive o "mundinho" GLBT.
Hoje se vive a "euforia homossexual"; as meninas beijam as amigas de escola na boca porque é cool, mas ignoram que homossexualidade é um conceito muito mais amplo e tem suas implicações.
Esta é uma delas.
O da esquerda, Ali, foi espancado em São Paulo em fevereiro.
-- descobri lendo um blog cujos título e temática me despertaram a atenção: "Who do u think u r", de Fabricio Mardegan.
Para saber detalhes da triste história de Ali, acesse: http://whodouthinkur.blogspot.com/2007/02/basta_12.html
O da direita, Ferruccio, foi surrado em Niterói em novembro.
-- caso recente, amplamente divulgado pela mídia.
É feio e triste ver uma coisa dessas.
Não sei se o termo que define isso é nojo, indignação... perco as palavras diante de atos como este -- mas não a atitude, e por isso faço QUESTÃO de postar isso aqui.
Até quando veremos gays serem tratados de forma tão cruel?

20 novembro 2007

De volta à lagoa


Um ano depois, voltei ao Lagoa Grill.
A diferença é que desta vez trouxe a digital (e também estou 1 ano mais velha -- afe! [risos]).
Só quis deixar registrado, porque a vista é bela.
Pena que não estava aquele sol lindo como no ano passado...

19 novembro 2007

Sardinha! Yessssssssssss


Hum... adoro sardinha frita.
Fui num bar no Leblon uma vez e pedi o prato.
Chorei, né? Cada uma custava R$ 7,00!
Pedi duas. Vieram umas míseras sardinhas magras que mal dava pra palitar os dentes com a espinha das pobrezinhas (risos, risos, risos).
Bem feito, uai! Quem mandou fazer a linha "a fina" e ir comer sardinha no Leblon?
Vai comer sardinha no Méier, que é bem mais em conta! (hehehe).
Pois fui... Fui ao "Baixo Méier" hoje (sim, isso existe, meu bem!) e lá descobri o Bar do Sardinha.
O preço que eu paguei por duas sardinhas no Leblon foi o mesmo que eu paguei pelo triplo de sardinhas fritas no Méier.
Me atirei, né?
Então, deixa de frescura e passa lá.
A cerveja é de garrafa e tem preço justo.
Come-se, bebe-se, gasta-se pouco.
Voltarei, com certeza!
Bar do Sardinha
Rua Silva Rabelo, 30 OU Rua Tenente Cerqueira Leite, 15 (tanto faz... é esquina! --risos)
Méier -- Rio de Janeiro
(imagem "capt[ur]ada" do site O Garfo)

18 novembro 2007

Pra fechar


Pra fechar nosso sábado, fomos ao Odorico, ali quase ao lado da Livraria Prefácio.
Gostei do bar... descontraído.
Aliás, a-do-rei o banheiro de lá. É uma gracinha.
Pode parecer estranho o comentário, mas são tão raros os lugares que dão alguma atenção à decoração do banheiro, que vale a pena ressaltar aqui este cuidado!
Passa lá, tome váááários chopps (assim, vc vai ter logo logo uma desculpa pra ir ver o banheiro que de que falei [risos], que é pequenininho, mas bonitinho!)

Odorico Bar
Rua Voluntários da Pátria , 31C
Botafogo -- Rio de Janeiro
Tel.: (21) 2266-3773

Livros, CDs, café, cerveja, sofá...


Ainda ontem, após a exibição do filme, fomos à Livraria Prefácio, ali mesmo em Botafogo.
Eu já conhecia a livraria (quando andei dando umas bandas por Botafogo, numa tarde fria em que chovia fino), mas desta vez fui tomar café no mezanino.
O lugar possui dois mezaninos, um deles com esse delicioso sofá no qual tive vontade de me atirar (mas me contive!) e uma estante de livros a serem folheados.
Diliça!
Vai lá no verão? Tome uma Warsteiner no balcão de baixo (sim... a livraria TEM cerveja!) -- hehehe! (adorei isso!)
Vai lá no inverno? Experimente o café vienense (café, chocolate em tablete, conhaque e leite vaporizado), que é gostoso e esqueeeenta que só!
Livraria Prefácio
Rua Voluntário da Pátria, 39
Botafogo -- Rio de Janeiro
Tel.: (21) 2527-5699

Isso é Brasil


Ontem fui à Casa Rui Barbosa (outro dia falarei especialmente sobre ela!) assistir a Brasileirinho -- o Filme.
Que bom ver algo assim e se lembrar que esse país produziu coisas muito boas!
Fiquei emocionadíssima e nem vou tentar sintetizar isso.
Segue a sinopse, extraída do site do filme.
obs.: já comprei a trilha do filme, é claro! Ma-ra-vi-lho-sa!
Um emocionante passeio pela história do Choro, suas origens, primeiros adeptos, e ainda, um importante registro do Choro atual, feito por novos e apaixonados músicos, que mantém vivo e pulsante esse gênero musical tão diverso quanto rico.
Durante uma tradicional Roda de Choro, o Trio Madeira Brasil, composto por destacados músicos de Choro como Marcello Gonçalves (violão de 7 cordas), Zé Paulo Becker (violão) e Rolando do Bandolim, apresenta aos demais músicos convidados um projeto de show, e convida-os a participar.
Paralelamente, seja nas sessões de Roda, em suas próprias casas, ou tendo “cartões postais” do Rio de Janeiro ao fundo, alguns dos maiores expoentes do Choro tocam e lembram passagens essenciais da história desta música urbana do Brasil, como por exemplo a Era do Rádio, das Big Bands, e das gafieiras tradicionais, que aconteciam a céu aberto, no interior do país.
O conceito de “BRASILEIRINHO”, porém, é focalizar na vitalidade atual do Choro. Nesse contexto, uma olhada no workshop semanal de Choro no Rio de Janeiro, com mais de 300 participantes de todas as idades, ilustra, sem constrangimentos o autêntico jeito brasileiro de tocar e improvisar música, com níveis de qualidade impressionantes.
O filme culmina com um concerto em um tradicional teatro do estado do Rio de Janeiro - o Teatro Municipal de Niterói. Durante o show, os artistas resumem, de forma espetacular, a opulência dos ritmos e melodias do Choro, um dos melhores e mais autênticos estilos musicais do Brasil.
Curtiu?
Agora, clica no link abaixo e dá uma olhada nas FERAS que participaram do filme:
http://www.brasileirinhofilme.com.br/choroes.htm

16 novembro 2007

Reserva Cultural


Quando inaugurou o "Reserva", já me chamou a atenção pelo nome: RESERVA CULTURAL.
Fino, não?
Amei!
Fui lá conferir!
Além de agradável, é pra lá de "bem localizado": no prédio da Gazeta (ou da Casper, como queiram), em plena Av. Paulista.
Pra quem já viu por fora (sim, a parede é uma vitrine!), mas não se encorajou a entrar, deixe de bobagem e vá lá ver.
Além do bar (o tal que se vê lá de fora!), tem também uma livraria e um café gostosinho (é... esse mesmo aí da foto acima), bem ao lado da rampa.
Ah... saudades de São Paulo!

15 novembro 2007

Cara de boteco


Não se engane com essa foto de "frango chique".
Quick Galetos, onde fui ontem à noite (e cujo site traz essa foto), tem cara de boteco.
Talvez por isso mesmo eu, que adoro frescurites mas detesto frescura, tenha gostado do lugarzinho.
Come-se no balcão (sentada, é claro -- no banquinho, não no balcão [huahuahua!]).
O preço é justo e o galeto é uma delícia!
Mas "se aprume" pra chegar lá cedo, porque eles viram abóbora: 23h começam a se organizar pra fechar.
Então corre (mais quick do que o nome sugere), senão a cerveja esquenta (tava geladinha!) e o galeto esfria!
Quick Galetos
Rua Duvivier, 28A
Copacabana -- Rio de Janeiro
Tel.: (21) 2541-2897

13 novembro 2007

Um deserto CHEIO de gente...!


Aí está o Saara de que falei abaixo.
O deserto mais populoso do mundo (hahaha).
Gente... é muita coisa ali.
Pra quem não sabe, trata-se da parte comercial do centro do Rio.
Pra quem é de Sampa, digamos que corresponde à rua 25 de Março e adjacências.
Claro que, pelo nome do lugar, já se imagina que os primeiros comerciantes dali eram turcos, libaneses, sírios, árabes... Mas é algo "além" disso. SAARA é uma sigla (Sociedade de Amigos e Adjacências da Rua da Alfândega) e compreende, além da própria rua da Alfândega, a Senhor dos Passos, a Buenos Aires e todas as suas respectivas travessas, num enorme quadrante (enorme MESMO; encontrei até um mapa pra se achar ali: http://www.saara-rj.com.br/mapa.jpg).
É louco o lance.
Gente saindo pelo ladrão.
Ladrão também tem! (digo, nas ruas. Todo lugar de aglomeração tem um esperto que mete a mão no tua bolsa, né? Tem de ficar esperta!).
Vale a visita.
Dispense a Zona Sul, o Corcovado, a Lagoa, a praia e vá dar um pulo pra enlouquecer no Saara.
Olivier Anquier costuma dizer que, pra se conhecer os verdadeiros pratos típicos de um lugar, tem de sair dos restaurantes indicados pelo hotel e ir às ruas.
Acho que isso tb se aplica às cidades, não?
Então, bem-vindos ao real Rio de Janeiro!

12 novembro 2007

E pra vc... o quê? Não! Não pare... o quê?





Vergonha das vergonhas!
Um blog jogado às traças digitais!
Nunca mais postei nada aqui!
Pois voltei... e "com a corda toda"! (hehehehe).
São 15h30 da tarde de uma segunda-feira. Opa! Eu não devia estar trabalhando?
Sim... eu devia, sim. Mas, quando vi, meu cérebro DDA já havia me raptado pra algum ponto além da estratosfera. E cá estou eu, pensando como o final de semana passou depressa...
Estava justamente dizendo isso hoje num e-mail -- aliás, só abri 1 dos meus 6 e-mails (sim, são seis!) --, sobre como o finde "voou"!
A impressão que tenho é de que estava passando em frente ao micro no final da tarde de sábado, vinda diretamente do Saara (no qual, antagônicamente, fui matar minha sede -- lê-se "curiosidade", pois de fato eu não conhecia aquele lado do centro do Rio), quando me lembrei do universo infindo de coisas que tinha ainda para terminar. Para lá fui sugada (sim, pra dentro do micro) e só despertei na noite de domingo, ao som da vinheta do 007 (eu estava a fim de ver a cara do novo "James Bond" e até que me surpreendi com o filme e com Daniel Craig).
Corta para hoje. 15h47. Postando coisas no blog. Interessada na linguagem de cinema (cismei com essa agora). Interessada em audiovisual (hum... buscar pelo assunto no Google!). Interessada em "autovisual" (tenho de cortar os cabelos, ir à manicure -- unha comprida? ergh! -- e preciso emagrecer uns quilinhos, apesar de ter, hoje mesmo, descoberto aqui perto de casa a rotisserie dos meus sonhos, que vende uns pastéiszinhos de queijo que são uma maravilha!!!).
P.S.: ah... e vc pensou que "autovisual" se referia a visual de carro, né? Errou, bébé!
Fade in: tela de computador mostrando o desenho acima. 15h52.
Achei um blog (http://www.dissonante.blogger.com.br/) em que se fala o seguinte sobre DDA:




DDA - Distúrbio de Déficit de Atenção

Distraído, enrolado, esquecido, desorganizado, impulsivo, agitado e inquieto. Estes são os rótulos mais utilizados para descrever o comportamento de pessoas que - injustamente tidas como preguiçosas, irresponsáveis e rebeldes - possuem um funcionamento mental diferente, chamado de DDA - Distúrbio de Déficit de Atenção ou TDAHI (transtorno do déficit de atenção com ou sem hiperatividade e impulsividade). No entanto, se esta patologia for canalizada de forma correta ela pode se transformar em criatividade, energia, ousadia e inovação...




Parabéns! Concordo total. Tanto que vou agora, now, transformar minha distração em trabalho.
Corta -- Valeu!
Ops! Mais um P.S. às 16h16 (ah... uma amiga de Campinas me ligou; eu tava de trelelê no telefone -- hehehehe): do dia 15 ao dia 20 vou botar esse blog NOS EIXOS. Postar o que fiz e os lugares aos quais fui nesses 2 meses (detalhe: as postagens serão retroativas, já que agora o Blogger permite fazer isso, para o bem dos "desleixados com blog", como eu!). Aguardem!



(imagem "capt[ur]ada" do blog Dissonante)

02 novembro 2007

Brasil cruel


2 de novembro era Finados
Eu parei em frente ao São Luis do outro lado
E durante uma meia hora olhei um por um
E o que todas as senhoras tinham em comum
A roupa humilde, a pele escura
O rosto abatido pela vida dura
Colocando flores sobre a sepultura
Podia ser a minha mãe -- que loucura!
Encontrei um blog MUITO LOUCO. Vou dizer: http://www.brasilcruel.blogger.com.br
Mas já aviso: tem de ter estômago; não só pela fotos, mas por ver quanta barbaridade ocorre diariamente nesse nosso país.
Cadê o "capitão Nascimento"?!
Legenda da imagem: Mosaico de fotos que circunda as lápides do São Luís, onde são enterradas até 20 pessoas por dia, a maioria vítima da violência.
(imagem "capt[ur]ada" do site ReporterBrasil)
("Fórmula mágica da paz" -- Racionais MCs: Sobrevivendo no Inferno)

06 setembro 2007

Meus amigos e suas fotos maravilhosas



Tenho dois amigos que gostam muito de fotografar.
Um em Sampa; outra no Rio.
Indico aqui o site de fotos do paulistano Eduardo Prado (acima, à esquerda) e da carioca Simone Brandão, cujas imagens demonstram a sensibilidade para esta arte que é a Fotografia.
Vá lá conferir!
obs.: Simone, junto com outras fotógrafas, tem também um blog que vale a pena ser visitado: http://soentrefotografas.blogspot.com/

05 setembro 2007

Precursora


Peraí, vamos falar sério -- e dar os devidos MÉRITOS.
Muito antes de Cássia Eller, Zélia Duncan e Ana Carolina (atualmente, também Isabella Taviani) povoarem o imaginário de algumas mulheres (mesmo as hétero!), Simone já o fazia nos anos 1980, numa época em que isso ainda causava MUITA indignação.
Então, vamos "aplaudir" não só o sucesso, mas tb a postura (afinal, ela nunca escondeu...) dessa baiana linda que, convenhamos, ainda mexe com a cabeça (e a libido!) de muita gente por aí!
Considero Simone a primeira "sex symbol lés", sem com isso tirar os créditos de Maria Bethânia, Marina Lima e Ângela Rô-Rô, mas... Simone é Simone, né?
obs.: não cito Adriana Calcanhotto, que tb arranca suspiros da mulherada (risos), e Leila Pinheiro (esta eu tenho minhas dúvidas!) porque elas "escondem" mais do que as outras que citei...
Xi... acabei de me lembrar que tem mais uma: a Joana, né? É verdade (risos). E se eu puxar pela memória, vou me lembrar de muitas outras. Mas só valem as sex symbols (Joana tá fora do páreo -- hahahahahaha)

16 agosto 2007

"Boy I am" e outros trans


Em 19 de novembro de 2006, assisti BOY I AM, exibido na 14a. edição do Festival Mix Brasil de Cinema e Vídeo da Diversidade Sexual.
O documentário lança luz sobre a transexualidade feminina, abordando a vida, as dificuldades e as transformações pelas quais passaram Nicco, Norie, Keegan.
Nicco é apaixonante (foto acima).
Pra quem quiser saber mais sobre o tema, há um site (não relacionado com o filme) muitíssimo interessante que conta e mostra uma transição FTM: http://trannyboi.com/
Para os já inteirados com o assunto, há MUITO MAIS a se saber: http://20six.fr/xxboys

15 agosto 2007

Girls kiss Girls


E olha só o que eu encontrei por aí, em minhas "incursões" pela Net: um fotolog chamado Girls kiss Girls.
Sem baixaria!
Muito legal!
Dêem uma olhada lá:
(imagem "capt[ur]ada" do fotolog GirlsKissGirls)

14 agosto 2007

Mais um opção (ou seja, diversão!)


Pois é, vocês de São Paulo têm SORTE!
E não é que Fay Butch ® (e se não a conhecem, estão por fora, hein! Onde vocês têm ido? A chás de cegonha e de cozinha? Hunf!) abriu um clube para meninas -- o Dyke Club!

Já disse aqui -- e não custa repetir -- que sou uma admiradora declarada da DykeCulture, mas o clube não é só pra dykes, não: butches e femmes dividem espaço (e se divertem!).

Então, tá esperando o quê?
Anota o endereço e vai lá conferir, né, criatura!
A primeira festa já rolou (foi em 4/8).
Sexta-feira (17/8) tem mais -- não vá perder, hein!
Dyke Club
Rua Morato Coelho, 569
Pinheiros -- São Paulo

(imagem "capt[ur]ada" do blog Fay Butch)

10 agosto 2007

Novas famílias


Faz tempo vem se constituindo em vários países "novas famílias".
Elas são formadas por gays e lésbicas que adotam crianças, avós e tios que assumem o papel dos pais, mulheres solteiras que são pai e mãe ao mesmo tempo, divorciados que unem suas famílias...


Embarcando nesta idéia e tentando nos trazer um panorama do que acontece no Brasil, estreiará na GNT, em 6/9, às 23h, uma série chamada NOVAS FAMÍLIAS.


A idéia central é abordar os diferentes tipos de família, sobretudo as menos convencionais (ou menos "tradicionais", se preferirem) -- portanto, não apenas as compostas por casais de gays e lésbicas, mas TAMBÉM eles.

Então, não perca!

Novas Famílias
Dia: 6/9
Hora: 23h
Canal: GNT

obs.1: essa notícia ganhou uma notinha no site Athos GLS (beijos pra equipe):
http://www.athosgls.com.br/noticias_visualiza.php?contcod=20873

obs. 2: a foto acima mostra Guadalupe Benitez (e sua companheira Joanne Clark), que teve de ir à Justiça, nos Estados Unidos, para ter direito à inseminação da qual nasceu o filho Gabriel (também na foto). Os primeiros médicos que ela consultou se recusaram a prosseguir o tratamento ao descobrirem que era lésbica. A notícia foi publicada em 3/8 no blog de Marcos Guterman no Estadão:

http://blog.estadao.com.br/blog/guterman

07 agosto 2007

Venha até São Paulo!


Venha até São Paulo
São Paulo tem Socorro, tem Liberdade, tem Bom Retiro
Tem Saúde
Tem Luz sem ter claridade
Tem Concórdia, Vila Esperança
Tem gente e mais gente, cabe, invade
São Paulo tem muitos santos espalhados pelo Estado
Tem São Judas, São Caetano, Santo André, tem São Bernardo
Tem São Miguel, São Vicente
Do outro lado tem São Carlos
Tem santo que nem me lembro!
São João Clímaco, Santo Amaro
E a capital, São Paulo, tem o largo de São Bento no centro
E no litoral tem Santos
Há santas também, é claro!
Santa Efigênia, Santana, Santa Cecília
Tem Santa Clara...


Venha até São Paulo ver o que é bom pra tosse
Venha até São Paulo, dance e pule o rock and rush
Entre no meu carro, vamos ao Largo do Arouche
Liberdade é bairro, mas é como Japão fosse
Venha nesse embalo, concrete, fax, telex
Igreja, Praça da Sé, faça logo sua prece
Quem vem pra São Paulo, meu bem, jamais se esquece
Não tem intervalo, tudo depressa acontece
Não tem intervalo!
Vai-e-vem, tchan, tchum, êta sobe-e-desce
Gente do nordeste, do norte, aqui no sudeste
Batalhando nesse mundaréu de mundo que só cresce
Que só cresce
Venha até São Paulo, venha!
Venha até São Paulo relaxar, ficar relax
Tire um xérox, admire um triplex
Venha até São Paulo viver à beira do stress
Fuligem, catarro, assaltos no dia dez
Venha até São Paulo ver o que é bom pra tosse
Venha até São Paulo, dance e pule o rock and rush
Entre no meu carro, vamos ao Largo do Arouche
Liberdade é bairro, mas é como Japão fosse
São Paulo é tal qual a Torre de Babel
É inflação, é vendaval, é só papel
Esperanças vão morrendo
É só quimera e mais quimera, mas que merda
É não e não, é fel e fel
Mas que escarcéu que a gente tá vivendo!
Venha nesse embalo, concrete, fax, telex
Igreja, Praça da Sé, faça logo sua prece
Quem vem pra São Paulo, meu bem, jamais se esquece
Não tem intervalo, tudo passa tão depressa
Não tem mais galo cantando, não tem mais, nem de manhã
Não vejo o sol, que mundaréu, que frio que tá fazendo!
Garoa, neblina, sereno formando um véu
Quem me dera ver o céu, mas eu só fico querendo
Vai-e-vem, tchan, tchum, êta sobe-e-desce
Gente do nordeste, do norte, aqui no sudeste
Batalhando nesse mundaréu de mundo que só cresce
Que só cresce
É tanta água despencando lá do céu
Meu Deus do céu, meu Deus do céu, meu Deus do céu
O que que tá acontecendo?!
É São Pedro que ficou pinel, com raiva de São Paulo?
É primavera, é primavera, só que só fica chovendo!
Venha até São Paulo relaxar, ficar relax
Tire um xérox, admire um triplex
Venha até São Paulo viver à beira do stress
Fuligem, catarro, assaltos no dia dez
Venha até São Paulo ver o que é bom pra tosse

Venha até São Paulo, dance e pule o rock and rush
Entre no meu carro, vamos ao Largo do Arouche
Liberdade é bairro, mas é como Japão fosse
Venha nesse embalo, concrete, fax, telex

Igreja, Praça da Sé, faça logo sua prece
Quem vem pra São Paulo, meu bem, jamais se esquece
Não tem intervalo, tudo depressa acontece
Vai-e-vem, tchan, tchum, êta sobe-e-desce

Gente do nordeste, do norte, aqui no sudeste
Batalhando nesse mundaréu de mundo que só cresce
Que só cresce
Venha até São Paulo relaxar, ficar relax

Tire um xérox, admire um triplex
Venha até São Paulo viver à beira do stress
Fuligem, catarro, assaltos no dia dez
Venha até São Paulo!



("Venha até São Paulo" -- Itamar Assumpção / imagem "capt[ur]ada" do site Sampaist)

05 agosto 2007

Sábado tem "Choro na Feira"


Ontem, sábado, dei um pulo na feirinha da Rua General Glicério, em Laranjeiras.
Muito legal!
A feirinha é bacana (gostei das roupas, bolsas e acessórios que encontrei por lá) e rola um chorinho bem gostoso, do grupo Choro na Feira.
E pra quem gosta de choro, tem também a barraca do Luizinho, logo em frente, que vende vários CDs do estilo -- além de uma caipirinha maravilhosa!
Taí: gostei e indico!

04 agosto 2007

Hum... bolinho de bacalhau!


Pra quem é chegado num bolinho de bacalhau sem frescura -- regado a uma bela cerva gelada! -- dê um pulo na Casa do Bacalhau, no Méier.
Fui ontem, sexta-feira, "me esbaldar" por lá! (risos).
Anota aí o endereço -- e me chama quando for, é claro! (hehehe)
Casa do Bacalhau
Rua Dias da Cruz, 426
Méier -- Rio de Janeiro
Tel.: (21) 3822-8200

01 agosto 2007

Leviana não é Devassa (hehehe)


Taí um bar legal, com um chopp e cerveja gostosos chamados LEVIANA.
Tá, eu sei: lembra "Devassa", mas não é! (risos)... é LEVIANA mesmo!
Vá lá provar, que o bar o bom, a ambiente é gostoso e os petiscos são 10!
E, por favor, não se esqueça da regrinha básica: "me chame" (kkkkkkkk)


ARMAZÉM CARIOCA
Av. N. Sra. de Copacabana, 31 (ao lado do Hotel Le Méridien)
Leme -- Rio de Janeiro
Tel.: (21) 2275-4049

31 julho 2007

Aroma de manga...


Vem pelo vento
Aroma
Fragrância, odor
Vem da pitanga
Da manga
Perfume da flor
Vem do estrume
Cheiro do gado
Vem do pecado (aroma-amor)
Do corpo dela (aroma-amor)
Todo molhado
Aroma
Um cheiro de suor
Ah, ah, ah, ah, aroma
Ah, ah, ah, ah, aroma
Vem pelas ventas
Aroma
Do pobre ou rico
Embriagada
Tu ficas
Eu também fico
Vem da macela
Da graviola
Vem do pé de manjericão
A te cheirar, manjericão
Todo o planeta
Aroma
De planta do sertão
("Aroma" -- Gilberto Gil [na voz de Lucia Turnbull])

30 julho 2007

bbbbbbbrrrrrrr!!!!!!!


Nossa, como está frio! Caramba!
Agradeço a José Patrício, da Agência Estado, por ter ido na madruga de ontem fotografar meu lugar predileto e do qual tanto sinto saudades: a Cidade Universitária.
Só quem foi uspiano sabe como faz frio naquele lugar à noite (afe!).
Mas também devemos nos lembrar de como é lindo na primavera!

23 julho 2007

Xarahbunita


Das pessoas que levam meu nome (ou eu seu nome), esta é minha predileta: FERNANDA TORRES.
Talento genético, essa carioca de 40 anos (oh... idade FELIZ) está no auge da forma física, "malhada pela ioga" (quer melhor?) e tem vivido um magnifico momento na carreira, em reconhecimento a seu trabalho.
Viva Fernanda!
(a-do-rei essa foto dela, gente!)
(imagem "capt[ur]ada" do site oficial www.uol.com.br/fernandatorres)

21 julho 2007

Mantenha o respeito!


Nunca é tarde pra dar os PARABÉNS a este post do blog UVA NA VULVA.
Sempre bati nesta tecla: não preciso que me aceitem, mas exijo que me RESPEITEM.
Sim, o assunto é da esfera da SEXUALIDADE HUMANA, mas, acima de tudo, dos DIREITOS HUMANOS!

(imagem "capt[ur]ada" do site Uva na Vulva)

20 julho 2007

Warum lügst du?


-- "Sein Geburtstag?!... Ich habe das ganz vergessen...!"

Ach so…!
Was ist das hier dann?

19/7
22:06
...
"Pra ser sincero não espero que você minta
Não se sinta capaz de enganar quem não engana a sim mesmo"
("Pra ser sincero" -- Engenheiros do Hawaii")

13 julho 2007

Nem sempre...


I can't get to sleep
I think about the implications
Of diving in too deep
And possibly the complications
Especially at night
I worry over situations
I know will be alright
Perhaps its just my imagination
Day after day it reappears
Night after night my heartbeat shows the fear
Ghosts appear and fade away
Alone between the sheets
Only brings exasperation
It's time to walk the streets
Smell the desperation
At least there's pretty lights
And though there's little variation
It nullifies the night
From overkill
Day after day it reappears
Night after night my heartbeat shows the fear
Ghosts appear and fade away
Come back another day
I can't get to sleep
I think about the implications
Of diving in too deep
And possibly the complications
Especially at nightI worry over situations that
I know will be alright
It's just overkill
Day after day it reappears
Night after night my heartbeat shows the fear
Ghosts appear and fade away
Ghosts appear and fade away
Ghosts appear and fade away
("Over kill" -- Men at Work)

12 julho 2007

E Deus nos deu a inteligência...


... e a arrogância para subestimá-la!
Devo de ir, FADAS
Inseto voa em cego sem direção
Eu bem te vi, nada
Ou fada borboleta, ou fada canção
AS ILUSÕES FARTAS
A fada com varinha virei condão
Rabo de pipa, olho de vidro
Pra suportar uma costela de Adão
Um toque de sonhar sozinho
Te leva a qualquer direção
De flauta, remo ou moinho
De passo a passo passo...
("Fadas" -- Luiz Melodia / imagem: "Pepper Butterfly" by Artgerm Store)

11 julho 2007

Varal de Saigon


"Anoiteceu
Olho pro tanque e vejo como é bom
Ver a camisa, a calça e o moleton
Espero vc lavar
Com sabão!"
Composição: Ana DelVecchio e Fernanda Rodrigues (hahahahahahaha)
(imagem "capt[ur]ada" do site Claudinhanet)

10 julho 2007

"O que tu queres, SEI EU!"


Ah... as coisas que eu descubro!
(tsc, tsc, tsc...)

("O que tu queres, sei eu!", avatar de Owny do blog Vândalos da Serra Team)

01 julho 2007

Qualquer ganido é bom pretexto


Há poetas na música (Chico Buarque, hors-concours; Zé Ramalho, enigmático; Renato Russo, insuperável!)
Há música na poesia.
Dos da "nova geração", admiro ZECA BALEIRO.
As letras do cara são incríveis – e a voz dele é um tesão de se ouvir!
(convenhamos...)

Essa é a noite do poeta torto
Flor de Lótus na sarjeta
Sem lua, musa ou Deus que o guarde
Pulando a janela do contexto
(...)
Só a noite é que sabe que a vida não tem jeito
Que pro escuro de um poema
Qualquer ganido é bom pretexto
Qualquer ganido é bom

(Trecho de "Cachorro doido" -- Zeca Baleiro: Baladas do Asfalto e outros blues)

27 junho 2007

It makes none


"But no more apologies
No more
No more apologies... oh...
I'm too tired
I'm so sick and tired
And I'm feeling very sick and ill today
But I'm still fond of you"
("What difference does it make?" -- The Smiths)

24 junho 2007

Som Barato


Está procurando discos pra baixar pela net?
Discos "difíceis" de se achar, como os de Itamar Assumpção, Adoniran Barbosa, Francis Haime, Guinga, Gonzaguinha, Kleiton & Kledir?

19 junho 2007

Sampa!


Longe de MEUS AMIGOS e da minha cidade: SÃO PAULO.

Meu mundo está em tua mão

Sou apaixonada por essa porra dessa cidade poluída do caralho (risos).

Frio e garoa na escuridão

Não sei o que é isso que sinto por esse lugar... Chamo Sampa de "meu segundo berço". E foi. A cidade que amo e ESCOLHI pra viver, que me formou, que me "recriou": SÃO PAULO.

Sem São Paulo o meu dono é a solidão...

Mesmo sendo corinthiana, ainda assim, SOU SÃO PAULO!

Quem é seu dono? Ninguém, São Paulo!

(imagem "capt[ur]ada" do site Sampaist)

18 junho 2007

"Sarau Grafado"


No dia 24/06, na nossa querida Rato de Livraria, haverá o lançamento da coletânea Sarau Grafado, a partir das 17h.
O título reúne contos, crônicas, teatro e poesia de 10 autores estreantes no mundo literário, e ainda conta com prefácio do escritor Moacyr G. Moreira, e quarta capa da escritora Andréa Del Fuego.
Entre os estreantes, é com orgulho que ressalto os nomes dos amigos Davi Tavares e Paula Fabrio, além de Leco Peres (cujo um de seus textos encontra-se postado no blog VersatiLLés).
IMPERDÍVEL!

17 junho 2007

Say it on words!


Every time I think of you
I feel a shot right through with a bolt of blue
It's no problem of mine
It's a problem I find
(...)
But that's the way that it goes
And it's what nobody knows
Well every day my confusion grows
("Bizarre love triangle" -- New Order)

02 junho 2007

Parada GLBT 2007


Essa é a Semana da Parada Gay em São Paulo.
Vários eventos, várias festas, vários babados!
Fique por dentro de tudo, não perca nada, e depois em conte! (hehehehe)
Parada GLBT 2007
A partir desta semana, São Paulo veste a camisa da diversidade. Acontece no dia 10 de junho a 11ª edição da Parada do Orgulho GLBT, na Avenida Paulista. Sob o tema "Por um mundo sem machismo, racismo e homofobia", a APOGLBT - associação organizadora do evento - amplia a abrangência da manifestação e agrega outras vítimas de exclusão social.
Mesmo se caracterizando pelo clima de festa, a idéia é e sempre foi alertar os brasileiros da imbecilidade que é o julgamento de caráter tendo como premissa a sexualidade. Por isso, além dos shows e trios elétricos - em 2007 serão 25 -, discursos de autoridades e representantes de gays, lésbicas e outros movimentos se farão presentes para exigir direitos iguais a todos.
Sem as indefinições do ano anterior, quando a Parada aconteceu quase que na marra, nessa edição a APOGLBT conseguiu programar as atividades com antecedência e garantiu patrocínios importantes, como os dos Ministérios do Turismo e do Esporte, além da própria prefeitura paulistana. Por esse motivo, espera-se um novo recorde de público.
Para atender a grande quantidade de turistas que chegam a São Paulo, o feriadão prolongado irá contar com várias atividades culturais. Entre os dias 05 e 09 de junho, acontecem mostras de cinema no Cine Olido, como o 1º Mix Brasil da Parada. O dia 07 é marcado pela Corrida da Diversidade, que vai passar pelo centro histórico da capital paulista. Na mesma data, o Vale do Anhagabaú recebe a Feira Cultural, com shows e DJs. Já no dia 09, o Hopi Hari abre seus portões para o 7º Gay Day.
Onde se jogar:
Além dos eventos oficiais, várias casas gay friendly têm programação especial a partir do dia 02 de junho. A Trash 80`s, no Clube Caravaggio, irá contar com exposições, festa open bar e balada pós-Parada. A Bubu Lounge e a The Week, além de ter programação dedicada ao evento, também estarão na Paulista.
Fora essas dicas, vale conferir a apresentação das meninas do Samba de Rainha, no dia 03, no Vermont Itaim. Ainda no domingo, o Clube Glória promove a festa de house Priveê by Ultralounge. Já no dia 06, o Cantho Dance Club terá a Gay Pride Fest, uma noite beneficente que irá ajudar crianças com AIDS. No dia 07, o Inferno Club recebe a Viva Sapata!, dedicada às bolachas e com shows e DJs.
Quer mais info.?

28 maio 2007

Ser bolacha em São Paulo...


"Como é bom ser bolacha em São Paulo. Não falta o que fazer."
(Sérgio Ripado -- Editor de Ilustrada da Folha Online)

Seja vc ou não uma bolacha fervida (sim, meu bem! Bolachas "fervem"; mas não tente fazer essa experiência em casa, sem um adulto por perto -- hahahaha), então seu paraíso é aqui -- e não fica necessariamente perto do viaduto Santa Generosa!
Aqui tem bar lés "a escolher" -- Vermont Itaim e República, Farol, BDG, BDF, BDD (Bar da Grá, da Fran, da Dida), O Gato, A Gruta, Santa Sara, Bocage, Cantinho M, Repertório... Tem pra todos os gostos, estilos e faixas etárias (como bem disse Sérgio Ripado, supracitado).
Ah! Fora as festas, né! -- Tête-à-tête, Chá com Bolacha, Trackinas.

Chá com Bolachas: anda rolando no Glória (r. 13 de maio, 830, praça Dom Orione, na Bela Vista). Tel.: 0/xx/11/3270-3700.
Tête-à-Tête: no Espaço Impróprio (r. Dona Antonia de Queiroz, 40, quase esquina com r. Frei Caneca, na Consolação). Tel.: 0/xx/11/3255-5274
TRACKinAS: no Puri (r. Augusta, 2.052).
Depois não digam q eu não avisei.
Fica em casa "se guardando" pra quê? Me conta!
Bolacha guardada fica murcha -- não esquece, tá?
Quanto à escolha da foto, aviso aos navegantes: Sim, eu sou uma admiradora da DykeCulture!
E tenho dito!
(ou seria Dita?)